A CPI não pode deixar passar crimes em branco. Como Nuremberg não deixou

15 de maio de 2021, 14:34

A simples tentativa, criminosa, de se fraudar a bula da hidroxicloroquina, para mentir que o medicamento era eficaz contra a Covid -19, já seria, de per si, motivo para todos os envolvidos saírem dos seus cargos, todos muito bem pagos, direto para a cadeia. É algo tão inimaginável em um país minimamente sério que foge à lógica do cidadão comum, envergonha, enoja. Pode permear pensamentos de fascistas enrustidos ou contumazes empenhados nos meios, sejam lá quais forem, para atingir seus fins. Mas não pode caber em nenhuma democracia.

A mudança na prescrição da cloroquina é só um dos crimes perpetrados por um grupo marginal e inconsequente que tomou de assalto o País, notadamente no setor de saúde. Como o boicote à vacinação, por exemplo, que levou o Brasil à rabeira do ranking dos países que tratam como deveriam a pandemia provocada pelo corona vírus. Ou o péssimo exemplo das autoridades que deveriam combater o mal, mas que o ampliam, promovendo aglomeração, incitando o (seu) povo a atacar a ciência e o isolamento social. Ou, ainda, quem desestimulou o uso da máscara, chamando-a de “coisa de marica” e que tais, e entra no mesmo recheio desse bolo indigesto e letal.

Muita coisa ainda virá à tona em toda a sua crueza. A CPI da Covid-19, tão propriamente tratada por “CPI do Genocídio”, está pondo a limpo a matança brasileira, ou tem tudo para fazê-lo. As mentiras já estão sendo desmascaradas. E as chicanas jurídicas dos covardes para não se incriminarem podem e devem cair por terra.

A trama obscena e macabra que envolveu o “ministério paralelo da Saúde”, outra abjeção criada em um governo igualmente abjeto, no sentido de ditar regras na política de saúde, no Brasil, daria um filme. Naturalmente, para ser exibido em horário impróprio a crianças e com recomendação contrária a hipertensos. Nada mais imoral e violento. Pior, mas muito pior, que filmes que tinham como personagens o médico Joseph Mengele e outros expoentes da tropa de médicos e cientistas a serviço do Terceiro Heich, na Alemanha nazista da Segunda Guerra.

O enredo desse filme, tristemente, teria como pano de fundo o extermínio de mais de 400 mil de brasileiros e de brasileiras. Afinal, quantas dessas vidas ainda seriam vida, caso o governo federal houvesse sido competente, decente, responsável e minimamente correto na hora que precisou? Quer ação mais estranha do que um governo botar pra negociar vacina com uma empresa gigante e multinacional um secretário de Comunicação, um “aspone” preposto de um pseudo-filósofo e um vereador desocupado cuja função é fazer trela no trabalho do pai? Nenhum médico nesse negócio mal explicado e suspeito…

Os profissionais de Medicina do governo envolvidos nessa ação deletéria de desmonte da saúde brasileira deveriam perder, de logo, suas credenciais e responder pelas vidas ceifadas, nos órgãos corporativos médicos e na Justiça. Já os não médicos – sejam eles ministros da Saúde, economistas, empresários, burocratas ou mesmo filhos de governantes -, estes deviam seguir direto para a prisão e enfrentar um julgamento sumário e sério. Nessa fase do filme, o Tribunal de Nuremberg seria um bom roteiro a ser seguido.

Escrito por:

Jornalista e compositor, com passagem por veículos como o Jornal do Commercio (PE) e as sucursais de O Globo, Jornal do Brasil e Abril/Veja. Teve colunas no JC, onde foi editor de Política e Informática, além de Gerente Executivo do portal do Sistema JC. Foi comentarista político da TV Globo NE e correspondente da Rádio suíça Internacional no Recife. Pelo JC, ganhou 3 Prêmios Esso. Como publicitário e assessor, atuou em diversas campanhas políticas, desde 1982. Foi secretário municipal de Comunicação. Como escritor tem dois livros publicados: "Bodas de Frevo", com a trajetória do grupo musical Quinteto Violado; e "Onde Está Meu Filho?", em coautoria, com a saga da família de Fernando Santa Cruz, preso e desaparecido político desde 1973. Como compositor tem dois CDs autorais e possui gravações em outros 27 CDs, além de um acervo de mais de 360 canções com mais de 40 músicos parceiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *