Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Brendan Mcdermid)

O desequilibrado em estado puro

20 de setembro de 2022, 15:05

Leio aqui e acolá que houve um certo alívio entre o pessoal da campanha que tenta uma cada vez mais inviável reeleição graças ao tom moderado – em se tratando de quem é – de Jair Messias na ONU.

Claro que nessa turma não se fala do vexame que foi transformar o púlpito das Nações Unidas em palanque suburbano, e muito menos de atropelar de maneira vergonhosa o tema votado para ser debatido na atual Assembléia. E ninguém do bando menciona o isolamento em que essa figura grotesca jogou o país que já foi um dos líderes do Terceiro Mundo.  

Ninguém ali reconhece que vivemos hoje num país apequenado e envergonhado pelo pior presidente da história da República, o mais perverso governo de todos os tempos, a ditadura militar que ele tanto idolatra inclusive.

E muito menos mencionam um fenômeno que assombra não só os brasileiros minimamente lúcidos, mas muitos governos ao redor do planeta: em sua fala de uns quinze minutos, o Tchutchuca do Centrão mentiu pelo menos onze vezes. Mesmo para quem mente como respira, tirando os segundos iniciais de cumprimentos protocolares lançar uma mentira por minuto é um feito e tanto. É Jair Messias em estado puro.

Afinal, ele estava falando – melhor dito: mentindo aos jorros – para chefes de Estado e de Governo do mundo inteiro, que aliás só estavam ali porque em seguida falaria Joe Biden. Se fosse só por Jair Messias, só iriam aqueles dispostos a ver até que ponto sua aberrante figura é capaz de chegar.

O que a besta-fera ganha com isso? O aplauso dos boçais do chiqueirinho do Palácio da Alvorada, da corja asquerosa espalhada por todo o seu governo, dos milicos empijamados que pupulam à sua volta, e ganha um reforço no escandaloso desprezo internacional. Isso e nada mais.

Quando lembro que ao longo de décadas, até mesmo durante boa parte da ditadura, o Itamaraty foi dos serviços diplomáticos mais respeitados do mundo, fico pasmo e especialmente irritado com o que vejo agora.

O resultado da viagem de Jair Messias a Londres e Nova York deveria servir para reforçar de vez a necessidade cada vez mais premente de liquidar esse governo com urgência no dia 2 de outubro.

Chega de passar vergonha com um presidente capaz de disparar uma mentira por minuto.

Chega de ver o quase nada que resta deste destroçado país sendo cada vez mais isolado no cenário mundial.

Chega desse mentiroso desequilibrado em estado puro.

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Escrito por:

Eric Nepomuceno é jornalista e escritor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *