(Foto: Reprodução)

Brasil do desespero e dos desesperados

2 de novembro de 2021, 22:05

O desespero nos massacra.

A incerteza de um Brasil caminhando sobre o fio da afinada navalha do ódio.

A incerteza quanto ao futuro de nossa gente, nossa atmosfera, nossa água, nossas florestas, com as chaves de nosso presente e de nosso futuro entregues aos cuidados de um louco celerado, tudo isso nos descompensa.

Nos desintegra intimamente.

Dormimos e acordamos na insegurança de saber quantos mortos serão naquele dia, de doença, de fome, de arma de fogo, de desânimo, de relento e frio.

Um país movediço.

Este é o Brasil de Bolsonaro, fruto dessa aliança sórdida, que reúne políticos corruptos, fanáticos ignorantes, mídia perversa, gente ruim de todos os tipos e militares gananciosos.

Tivéssemos nós um botão vermelho para acionar a bomba atômica, ele, nosso feitor, Bolsonaro, inconsequente e tirânico, já o teria acionado.

Nesse desespero, as mentes delicadas, sensíveis, não suportam a pressão.

Ontem, foram-se duas pessoas maravilhosas e frágeis. E não sabemos a real razão e exata.

Hoje, desconfia-se que a partida do artista indígena Jaider Esbell tenha sido por suicídio. Artista contemporâneo do povo Mucuxi, 41 anos, estrela incandescente da Bienal de São Paulo, no momento mais importante, fulgurante, de sua vida, honrado, elogiado, glorificado, nada disso foi suficiente para manter integra a frágil corda de violino Straduvarius que o ligava à vida.

Ela se rompeu tragicamente, causando nosso estupor.

Este não é um momento corriqueiro. Sobrevivemos na anormalidade, e os dotados de consciência abraçam de modo enérgico, e sem pensar em consequências, a causa de salvar o Brasil. Salvar o mundo. Salvar a Humanidade dependente de nossa natureza.

A causa de colocar esse governo em seu devido lugar: no chão.

Escreva eu uma odisseia, não falarei tanto e com a eficiência da obra de Esbell. Vejam aqui esse grito indígena parado no ar em seus trabalhos comoventes. Eu paro e lembro do grito do Tarzan da minha infância, do Jim das Selvas, de Raoni, o cacique do gravador, dos Irmãos Villas Boas, de Darcy Ribeiro, do pajé Sapaim, fazendo pajelança para salvar o ecologista Augusto Ruschi, o ecologista, naturalista, das orquídeas e dos beija-flores. Roguem por nós!

Escrito por:

Formação acadêmica: Conservatório Nacional de Teatro 1967-1969, Rio de Janeiro
Jornalista, atriz e diretora do Instituto Zuzu Angel/Casa Zuzu Angel - Museu da Moda. Manteve colunas diárias e semanais, de conteúdos variados (sociedade, comportamento, cultura, política), nos jornais Zero Hora (Porto Alegre), O Globo, Última Hora e Jornal do Brasil (Rio de Janeiro), onde também editou o Caderno H, semanal.
Programas de entrevistas nas TVs Educativa e Globo.
Programas nas rádios Carioca e Paradiso.
Colaborações e/ou colunas nas revistas Amiga, Cartaz, Vogue, Manchete, Status, entre outras publicações).
Atriz de Teatro, televisão e cinema, de 1965 a 1976
Curadoria de Exposições de Moda: Museu Nacional de Belas Artes, Museu Histórico Nacional, Itau Cultural, Paco Imperial, Casa Julieta de Serpa, Palacio do Itamaraty (Brasilia), Solar do sungai (Salvador).
Curadoria do I Salao do Leitor, Niterói

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *