(Foto: Reuters)

Cuba vive e sobrevive

13 de julho de 2021, 13:04

Desde a primeira vez que fui a Cuba, no distante final de julho de 1978, estive na Ilha umas trinta vezes, às vezes por poucos dias, outras por semanas. Além de amigas e amigos, ganhei irmãos.

E sempre, desde aquela estreia em terras cubanas, tive pontos de discordância, e em algumas ocasiões fiz críticas ao que acontecia. Jamais deixei de expor o que pensava, mas numa única situação: estando em Cuba.

Das muitas coisas que aprendi com Eduardo Galeano e me servem de guia, trago aqui a definição feita por Carlos Fonseca Amador, um dos fundadores da falecida Frente Sandinista na Nicarágua: o verdadeiro amigo é aquele que critica na frente e elogia pelas costas.

Conheci de perto períodos de bonança na Ilha, e muitos períodos de vicissitude. E jamais, em tempo algum, deixei de ver nos olhos dos cubanos, conhecidos ou anônimos, algo que tanta falta faz na nossa América Latina: uma mistura equilibrada de dignidade e orgulho.

É, de longe, o povo mais generoso e solidário entre os tantos que conheci e frequentei e frequento. Essa generosidade, essa solidariedade, muitas vezes ocorreram em países com claras diferenças e distância com Cuba que enfrentavam períodos difíceis. Basta recordar a ação de médicos cubanos espalhados mundo afora, e não apenas em nações amigas.

Presenciei em várias ocasiões protestos de artistas jovens, e fiz parte de grupos de estrangeiros que mantêm com Cuba a mesma relação que eu e que buscam autoridades para levar sua preocupação ou, em algumas ocasiões, reclamação. 

Foram duas as vezes em que, junto a outros escritores e artistas estrangeiros, fui levado diante do próprio Fidel Castro, que ouviu com serenidade nossas colocações e determinou providências.

Portanto, entendo o que está acontecendo. E não esqueço em nenhum momento – algo, aliás, que ninguém de índole justa e com um mínimo de dignidade deveria esquecer – que o principal foco dos problemas enfrentados pelo povo cubano é, sim, o governo. 

Mas não o de Cuba: o dos Estados Unidos da América.

Uma das mais cruéis perversidades na história contemporânea é o bloqueio imposto por Washington à Ilha. E só mesmo um povo íntegro e digno conseguiria sobreviver a essa maldade. 

Washington bloqueia de alimentos e remédios, impede o comércio, pune companhias navegadoras que aportam em Cuba. Bloqueia insumos e equipamentos médicos, peças de reposição mecânica e de energia elétrica, e restrições absurdas são impostas às exportações cubanas. 

É infinita a lista de prejuízos econômicos e sociais provocados pelos Estados Unidos, e isso há mais de sessenta anos. 

Barack Obama prometeu reatar as relações com a Ilha e suspender o bloqueio. Balela. Não fez nem uma coisa nem outra. Donald Trump não fez mais que apertar com rigor as medidas contra Cuba. E Joe Biden vai pelo mesmo caminho.

Sim, sim, os cubanos protestam contra a falta de alimentos, de remédios. E a ignorância dos afoitos lança críticas à ditadura.

Estranha ditadura: o presidente Miguel Díaz-Canel foi para a rua conversar com manifestantes. 

As de agora foram as manifestações mais amplas dos últimos 27 anos. E de novo Washington quer aproveitar a tensa inquietação vivida na Ilha para apertar ainda mais o torniquete.

Só vai conseguir causar ainda mais dano ao país. É uma perversão sem limites e sem fim.   

E de novo será em vão: Cuba está viva e seguirá viva. É uma sobrevivência heroica diante de uma política perversa e covarde alimentada e engordada por Washington. 

Escrito por:

Eric Nepomuceno é jornalista e escritor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *