Milhares na Esplanada dos Ministérios contra Bolsonaro em 2 de outubro de 2021 (Foto: Reprodução)

E agora, José?

2 de outubro de 2021, 20:10

Bolsonaro recuou muitas casas, depois do 7 de setembro, e agora a oposição terá pelo menos que ficar parada depois dos atos desse sábado. Ficar no lugar, sem jogar por um tempo, já será uma grande vantagem.

Bolsonaro não blefa mais com o golpe, e as esquerdas, que esperavam o centro que não veio, terão de descobrir o que fazer com o acovardamento de Bolsonaro. As ruas podem ter extraviado a capacidade de oferecer respostas.

Os próximos lances ficam ainda mais imprevisíveis. Bolsonaro escreveu a cartinha, aquietou-se e ficou esperando pelo que aconteceria nas ruas com a aglomeração dos que desejam derrubá-lo, dos que fingem querer o seu fim e dos que desejam apenas mantê-lo fraco.

Não há como não admitir, sob pena de incorrer em erros passados: os atos podem ter chegado ao esgotamento, talvez porque poucos continuem acreditando que Bolsonaro possa cair e, quem sabe, porque a maioria nem queira que caia.

Uma observação de quem ainda mantém cacoetes de repórter, depois da manifestação em Porto Alegre: faltaram a vitalidade de caminhadas anteriores, os jovens e até os políticos.

Faltaram até os cartazes artesanais que, a partir de maio, pareciam ter trazido de volta às ruas a gurizada ausente desde 2013. O ato em Porto Alegre, não se enganem, foi apenas protocolar. Em São Paulo e no Rio dizem que foi cerimonioso.

É possível que tenha batido o cansaço com as caminhadas intermitentes, que não cumprem outra função que não seja a de acalmar a alma e passar a sensação de que assim Bolsonaro é mantido sob tensão.

Quem se arrisca a convocar os próximos atos? De novo daqui a dois meses? Com quem? Com que apelo? O Brasil terá descoberto a fórmula dos atos bimestrais, para que ninguém durma sentado?

Estamos antecipando o vácuo do fim do ano. A CPI do Genocídio não teria mais nada a oferecer antes do relatório que sairá ainda em outubro.

Há quem tenha alguma esperança com a retomada dos trabalhos da CPI das Fake News. Por enquanto, é muito pouco.

Quem busca consolos pode dizer que os atos tiveram Ciro Gomes, Fernando Haddad e Guilherme Boulos no mesmo palanque.

Eles apareceram, mas não atraíram mais gente do que nos atos anteriores. Não se criou um fato novo com a pretendida aglomeração de todo mundo, e Ciro ainda teve que voltar para casa com o eco de uma vaia.

Confirmou-se o que já estava sendo antecipado. Que as manifestações nos informariam, em algum momento, que chegamos aonde é possível chegar.

Para passar daí e atingir outro patamar será preciso apostar no que ainda é incerto e improvável. As oposições entram agora no modo Mandrake, até saber como poderão voltar a se mexer. É uma bobagem querer avaliar o que aconteceu, como a direita sugere, pela ausência de Lula.

Bolsonaro deve ter se acalmado, porque não foi desta vez que se sentiu de fato acuado pelas ruas. E a oposição deve começar a pensar no que dizer quando alguém perguntar: e agora, José?

Escrito por:

Moisés Mendes é jornalista de Porto Alegre e escreve no blogdomoisesmendes. É autor de ‘Todos querem ser Mujica’ (Editora Diadorim). Foi editor de economia, editor especial e colunista de Zero Hora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *