(Foto: Mídia NINJA)

O decálogo da violência contra meninas e mulheres

27 de junho de 2022, 12:38

  1. A impossibilidade de comentar sobre o agressor, que era próximo. A primeira violência. 
  2. Lidar, sem entender, com a transformação do próprio corpo. A segunda violência. 
  3. Ter de enfrentar a descoberta da família que, certamente, num primeiro momento, duvidou de sua versão. A terceira violência. 
  4. A decepção de ter o direito legal negado pelo hospital e pelo médico. A quarta violência. 
  5. Ser separada da mãe, num momento crucial de sua vida. A quinta violência. 
  6. Enfrentar uma juíza fascista e ardilosa, que demonstrou querer quebrar suas parcas e frágeis convicções, se é que nesta idade ela tinha alguma, no fundo do seu sofrimento. A sexta violência.
  7. Ter a vida devassada e exposta. A sétima violência. 
  8. Chegar ao hospital para, enfim, se submeter à cirurgia de retirada do feto. A oitava violência.
  9. Ir para casa e encarar o mesmo ambiente que a mutilou psicologicamente. A nona violência. 
  10. Ter de se entender consigo mesma, a partir de um corpo devassado e em mutação. A décima violência.

Tudo na vida dessa garota foi chacoalhado, revirado e invadido. O que vai brotar daí por diante é a pergunta que devemos nos fazer. Esse decálogo percorrido por ela é o roteiro de muitas, que não ganham espaço e têm o futuro corrompido pela brutalidade dessa dor.

Em resposta, o Ministério da Saúde, do seu Queiroga, que quer eleger o Queiroguinha, divulgou um “manual”, que é a continuidade dessa violência. Os movimentos de mulheres estão conclamando a que entrem lá e protestem: “Não vamos aguentar mais um pouquinho”. Segue a versão do “manual” com o link para vocês se manifestarem também. 

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Escrito por:

Jornalista. Passou pelos principais veículos, tais como: O Globo; Jornal do Brasil; Veja; Isto É e o Dia. Ex-assessora-pesquisadora da Comissão Nacional da Verdade e CEV-Rio, autora de "Propaganda e cinema a serviço do golpe - 1962/1964" e "Imaculada", membro do Jornalistas pela Democracia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *