O Discurso de Bolsonaro na ONU

21 de setembro de 2020, 14:06

Caros colegas, presidentes e parlamentares, senhores diplomatas e conselheiros, ah e senhoras também, é claro.

Mais um ano, como ora a tradição, venho aqui à sede da ONU fazer o discurso inaugural de mais uma Assembleia Geral. Estou fazendo curso de inglês online mas ainda não dá para discursar. Vai em português mesmo, talkey? Kkkk, isso eu sei.

Antes de tudo queria rebater as críticas ao modo com que tratamos a questão do meio ambiente no Brasil. O mundo não está sendo justo. Temos lindas praias, florestas, montanhas e pantanais como nenhum outro país do mundo. Dedicamos boa parte da nossa política à destruição dessas áreas para transformar em pasto e atender ao agronegócio. Agro é tudo. As queimadas que estão acontecendo agora são verdadeiros fogos de palha, cortina de fumaça para esconder para impedir que o mundo saiba dos nossos progressos nos outros campos. Pois é. Somos o pais do mundo que melhor cuida do seu meio ambiente. Praticamente um ambiente inteiro. Se quiserem , ensinamos vocês a combater os incêndios. Podemos mandar uma equipe para a Califórnia.

Também nos acusam de negligenciar a pandemia. Que pandemia? Não temos pandemia no Brasil, talkey? Tivemos uma onde de gripe que até eu peguei mas qualquer pessoa com histórico de atleta se safa numa boa. Ficar em casa por causa dessa gripe é que me parece uma fraqueza física e de caráter. Tivemos mortos, sim, mas que país não tem mortos? Pessoas morrem todo dia e nada mais natural no equilíbrio da natureza e da economia.

Ai vem aquela turma que só fala de direitos humanos. Agora também estão me enchendo o saco por causa dos direitos dos animais. É onça com pata queimada, jacaré na brasa…posso fazer o quê? Apagar o incêndio com meu cuspe? Não dá. Quase não consegui pousar quando fui lá de avião. Tinha tanto nevoeiro. Acabei levando chuva pra lá. Sou assim com os homens lá de cima. Quanto aos direitos humanos eles vão bem obrigado. estão direito e são humanos, o resto é frescura de comunista. Dá vontade de encher a boca deles de porrada. Até a Procuradoria da República acha normal. Só não faço porque respeito a boca alheia.

Sou um democrata, daqueles que fazem de tudo para manter a democracia e a liberdade, até colocar os tanques na rua se for preciso. Democracia é um estado que se conquista na marra e se defende na porrada. Todos tem o mesmo direito só que uns mais do que os outros, é claro, já dizia meu super- ministro da Economia, Paulo Guedes. Defenderei a democracia com unhas, dentes, fake news, um cabo e um soldado.

Falando em Paulo Guedes que vocês já devem conhecer bastante, estudou aqui em Chicago, fala inglês muito bem  e é um direitista de carteirinha, esse meu ministro é demais. Somos terrivelmente cristãos e neoliberais. Eu ainda reluto um pouco com a política dele porque adorei essa história de dar dinheiro pro povo e o Lula que não me escute, o Lula, “the guy”, lembram? Pois é, ele sabia fazer isso como ninguém. É muito bom mas, não sei como ele conseguia. Não entendo. O Guedes não gosta muito da ideia mas eu adoro ver minha popularidade subindo, subindo até quebrar o teto de gastos….kkkk. Foi uma piadinha. Vou dar um jeito. Deus há de me ajudar.

E Deus também há de ajudar o presidente Trump a se eleger nem que para isso tenhamos que inventar votos, falsear notícias, votar duas vezes. Como eu disse, a Democracia se conquista na marra, custe o que custar e a liberdade é uma coisa tão valiosa que não é pra qualquer um. É para poucos. 

Viva a liberdade, viva a democracia, viva a economia de mercado e viva o presidente Trump. A ONU, ok, que viva também e continue me convidando para discursar. Adoro viajar e comprar umas bugigangas aqui na América. Bye-bye e até o ano que vem, talkey?

Escrito por:

Cartunista, diretor de arte e ilustrador além de jornalista, comentarista e autor de teatro, cinema e televisão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *