Pesquisadores da Remir emitem nota indignada contra o fechamento da Ford

13 de janeiro de 2021, 20:04

 O grupo da Rede de Estudos e Monitoramento Interdisciplinar da Reforma Trabalhista (REMIR), que congrega professores e pesquisadores do trabalho, nas mais diversas áreas, além de representantes de instituições públicas do trabalho, emitiu nota em que seus integrantes se dizem “estarrecidos” com a decisão da empresa FORD, de fechar as suas fábricas e demitir milhares de trabalhadores (diretos e indiretos) no Brasil.

Os pesquisadores apontam o absurdo que é, neste momento em que o governo decide que não mais vai pagar o auxílio emergencial – uma luta da oposição no Congresso, que visou amenizar a situação dos que ficaram sem renda, na pandemia -, a empresa centenária no Brasil, simplesmente fechar as portas, levantar acampamento e deixar o país, não se importando com o cenário de desalento que ficará com o encerramento de suas atividades. “Estamos chocados também pela forma como a decisão foi anunciada, tomando os trabalhadores e sindicatos de surpresa. É passada a hora de a sociedade brasileira rejeitar esses ataques diretos à dignidade do trabalho, rejeitar a perseguição e o desrespeito às entidades de representação dos trabalhadores, rejeitar, enfim, políticas econômicas voltadas apenas aos interesses financeiros e empresariais de uma minoria”, denunciam.

 (Leiam a nota na íntegra):

https://www.eco.unicamp.br/remir/index.php/notas-publicas/236-o-fechamento-da-ford-expressao-de-uma-diretriz-desastrosa-para-os-trabalhadores-do-brasil

Escrito por:

Jornalista. Passou pelos principais veículos, tais como: O Globo; Jornal do Brasil; Veja; Isto É e o Dia. Ex-assessora-pesquisadora da Comissão Nacional da Verdade e CEV-Rio, autora de "Propaganda e cinema a serviço do golpe - 1962/1964" e "Imaculada", membro do Jornalistas pela Democracia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *